Capitalismo: O que é? Como surgiu? Como funciona?

O capitalismo é um sistema econômico no qual indivíduos ou empresas privadas possuem bens de capital. A produção de bens e serviços é baseada na oferta e demanda no mercado geral – conhecido como economia de mercado – e não através do planejamento central -conhecido como economia planejada ou economia de comando.

A forma mais pura do capitalismo é o mercado livre ou o capitalismo laissez-faire. Aqui, indivíduos particulares são irrestritos. Eles podem determinar onde investir, o que produzir ou vender e a que preços trocar bens e serviços. O mercado laissez-faire opera sem verificações ou controles.

Hoje, a maioria dos países pratica um sistema capitalista misto que inclui algum grau de regulamentação governamental dos negócios e propriedade de indústrias selecionadas.

Entendendo o Capitalismo

Funcionalmente falando, o capitalismo é um processo pelo qual os problemas de produção econômica e distribuição de recursos podem ser resolvidos. Em vez de planejar decisões econômicas através de métodos políticos centralizados, como no socialismo ou feudalismo, o planejamento econômico sob o capitalismo ocorre por meio de decisões descentralizadas e voluntárias.

Principais Resultados

  • O capitalismo é um sistema econômico caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção;
  • O capitalismo depende da aplicação dos direitos de propriedade privada, que fornecem incentivos ao investimento e uso produtivo do capital;
  • O capitalismo desenvolveu-se historicamente a partir de sistemas anteriores de feudalismo e mercantilismo na Europa e expandiu a industrialização e a disponibilidade em larga escala de bens de consumo no mercado de massa.

Capitalismo e Propriedade Privada

Os direitos de propriedade privada são fundamentais para o capitalismo. A maioria dos conceitos modernos de propriedade privada deriva da teoria da propriedade de John Locke, na qual os seres humanos reivindicam a propriedade misturando seu trabalho com recursos não reclamados. Uma vez possuídos, os únicos meios legítimos de transferência de propriedade são por meio de trocas voluntárias, presentes, herança ou reintegração de propriedade abandonada.

John Locke
John Locke

A propriedade privada promove a eficiência, incentivando o proprietário dos recursos a maximizar o valor de sua propriedade. Portanto, quanto mais valioso o recurso, maior o poder de negociação que ele fornece ao proprietário. Em um sistema capitalista, a pessoa que possui a propriedade tem direito a qualquer valor associado a essa propriedade.

Para indivíduos ou empresas implantarem seus bens de capital com confiança, é necessário que exista um sistema que proteja seu direito legal de possuir ou transferir propriedade privada. Uma sociedade capitalista dependerá do uso de contratos, negociações justas e leis de delito para facilitar e fazer cumprir esses direitos de propriedade privada.

Capitalismo, lucros e perdas

Os lucros estão intimamente associados ao conceito de propriedade privada. Por definição, um indivíduo só entra em uma troca voluntária de propriedade privada quando acredita que a troca os beneficia de alguma maneira. Nessas negociações, cada parte ganha um valor subjetivo extra, ou lucro da transação.

O comércio voluntário é o mecanismo que impulsiona a atividade em um sistema capitalista. Os proprietários dos recursos competem entre si pelos consumidores, que, por sua vez, competem com outros consumidores pelos bens e serviços. Essa atividade está embutida no sistema de preços, que equilibra oferta e demanda para coordenar a distribuição de recursos.

Um capitalista obtém o maior lucro usando os bens de capital com mais eficiência, enquanto produz o bem ou serviço de maior valor. Nesse sistema, as informações sobre o que é de maior valor são transmitidas através dos preços a que outro indivíduo compra voluntariamente o bem ou serviço do capitalista. Os lucros são uma indicação de que entradas menos valiosas foram transformadas em saídas mais valiosas. Por outro lado, o capitalista sofre perdas quando os recursos de capital não são utilizados com eficiência e, em vez disso, cria resultados menos valiosos.

Moedas e papel moeda

Capitalismo ou Livre Empresa?

Capitalismo e Livre Empresa são frequentemente vistos como sinônimos. Na verdade, eles são termos relacionados, porém distintos, com características sobrepostas. É possível ter uma economia capitalista sem ser uma livre empresa assim como é possível ter um livre mercado sem ser capitalista.

Qualquer economia é capitalista, desde que os indivíduos controlem os fatores de produção.

“Empresa Livre”  pode ser entendida como trocas econômicas livres de influência governamental coercitiva. Embora improvável, é possível conceber um sistema em que os indivíduos optem por manter todos os direitos de propriedade em comum. Os direitos de propriedade privada ainda existem em um sistema de livre empresa, embora a propriedade privada possa ser voluntariamente tratada como comunitária sem mandato do governo.

A acumulação, a propriedade e o lucro capital são o princípio central do capitalismo, a liberdade da coerção estatal é o princípio da livre empresa.

Feudalismo, a raiz do capitalismo

O capitalismo nasceu do feudalismo europeu. Até o século XII, menos de 5% da população da Europa vivia em cidades. Trabalhadores qualificados viviam na cidade, mas recebiam a “proteção” dos senhores feudais, e com isso não recebia salário pois eram servos de nobres. No entanto, no final da Idade Média, o crescente urbanismo, com as cidades como centros industriais e comerciais, se torna cada vez mais importante economicamente. A partir daí os verdadeiros salários começaram a ser oferecidos pelos negócios e pessoas a se mudarem para cidades onde poderiam obter dinheiro em vez de subsistência em troca de trabalho. Os filhos e filhas extras das famílias, que precisavam ser colocados no trabalho, poderiam encontrar novas fontes de renda nas cidades comerciais. O trabalho infantil fazia parte do desenvolvimento econômico da cidade, assim como a servidão fazia parte da vida rural.

Representação do Sistema Feudal
Representação do Sistema Feudal

Mercantilismo substitui Feudalismo

O mercantilismo substituiu gradualmente o sistema econômico feudal na Europa Ocidental e se tornou o principal sistema econômico de comércio durante os séculos XVI a XVIII. O mercantilismo começou como comércio entre cidades, mas não era necessariamente comércio competitivo. Inicialmente, cada cidade possuía produtos e serviços muito diferentes que foram lentamente homogeneizados pela demanda ao longo do tempo.

Após a homogeneização dos bens, o comércio era realizado em círculos cada vez mais amplos: cidade a cidade, província a província e, finalmente, nação a nação. Quando muitas nações estavam oferecendo bens semelhantes para o comércio, o comércio assumia uma vantagem competitiva que era aguçada por fortes sentimentos de nacionalismo em um continente que estava constantemente envolvido em guerras.

O colonialismo floresceu ao lado do mercantilismo, mas as nações que semeavam o mundo com assentamentos não estavam tentando aumentar o comércio. A maioria das colônias foi criada com um sistema econômico que cheira ao feudalismo, com suas matérias-primas voltadas à pátria e, no caso das colônias britânicas na América do Norte, sendo forçadas a recomprar o produto acabado com uma pseudo-moeda que impedia negociação com outras nações.

Foi Adam Smith quem percebeu que o mercantilismo não era uma força de desenvolvimento e mudança, mas um sistema regressivo que estava criando desequilíbrios comerciais entre as nações e impedindo-as de avançar. Suas ideias para um mercado livre abriram o mundo ao capitalismo.

Adam Smith
Adam Smith

Crescimento do capital industrial

As ideias de Smith foram oportunas, pois a Revolução Industrial estava começando a causar tremores que logo abalariam o mundo ocidental. A mina de ouro (muitas vezes literal) do colonialismo trouxe nova riqueza e nova demanda pelos produtos das indústrias domésticas, o que impulsionou a expansão e a mecanização da produção. À medida que a tecnologia avançava e as fábricas não precisavam mais ser construídas perto de cursos de água ou moinhos de vento, os industriais começaram a construir nas cidades onde havia agora milhares de pessoas para fornecer mão de obra pronta.

Magnatas industriais foram as primeiras pessoas a acumular suas riquezas durante a vida, muitas vezes superando os nobres. Pela primeira vez na história, as pessoas comuns podiam ter esperanças de se tornarem ricas. A nova multidão de dinheiro construiu mais fábricas que exigiam mais mão-de-obra, além de produzir mais bens para as pessoas comprarem.

Durante esse período, o termo “capitalismo” – originário da palavra latina “capitalis”, que significa “cabeça de gado” – foi usado pela primeira vez pelo socialista francês Louis Blanc em 1850, para significar um sistema de propriedade exclusiva dos meios de produção industrial por particulares em vez de propriedade compartilhada.

Efeitos do Capitalismo Industrial

O capitalismo industrial tendia a beneficiar mais níveis da sociedade do que apenas a classe aristocrática. Os salários aumentaram, ajudados grandemente pela formação de sindicatos. O padrão de vida também aumentou com o excesso de produtos acessíveis sendo produzidos em massa. Esse crescimento levou à formação da classe média e começou a elevar o padrão  das classes mais baixas.

As liberdades econômicas do capitalismo amadureceram ao lado das liberdades políticas democráticas, do individualismo liberal e da teoria dos direitos naturais. Essa maturidade unificada não significa, no entanto, que todos os sistemas capitalistas sejam politicamente livres ou incentivem a liberdade individual. O economista Milton Friedman, um defensor do capitalismo e da liberdade individual, escreveu em Capitalism and Freedom (1962) que “o capitalismo é uma condição necessária para a liberdade política. Não é uma condição suficiente”.

Milton Friedman
Milton Friedman

Uma grande expansão do setor financeiro acompanhou a ascensão do capitalismo industrial. Os bancos já haviam servido como depósitos de objetos de valor, câmaras de compensação para o comércio de longa distância ou credores para nobres e governos. Agora eles passaram a atender às necessidades do comércio cotidiano e à intermediação de crédito para grandes projetos de investimento de longo prazo. No século 20, quando as bolsas de valores se tornaram cada vez mais públicas e os veículos de investimento se abriram para mais indivíduos, alguns economistas identificaram uma variação no sistema: capitalismo financeiro.

Capitalismo e Crescimento Econômico

Antes da ascensão do capitalismo nos séculos 18 e 19, o rápido crescimento econômico ocorreu principalmente através da conquista e extração de recursos dos povos conquistados. Em geral, esse foi um processo localizado de soma zero. Pesquisas sugerem que a renda média per capita global permaneceu inalterada entre a ascensão das sociedades agrícolas até aproximadamente 1750, quando as raízes da primeira Revolução Industrial se estabeleceram.

Nos séculos seguintes, os processos de produção capitalista aumentaram bastante a capacidade produtiva. Mais e melhores bens tornaram-se acessíveis de maneira barata a grandes populações, elevando os padrões de vida de maneiras anteriormente impensáveis. Como resultado, a maioria dos teóricos políticos e quase todos os economistas argumentam que o capitalismo é o sistema de troca mais eficiente e produtivo.

Capitalismo X Socialismo

Em termos de economia política, o capitalismo é frequentemente confrontado com o socialismo. A diferença fundamental entre capitalismo e socialismo é a propriedade e o controle dos meios de produção. Em uma economia capitalista, propriedades e empresas são possuídas e controladas por indivíduos. Numa economia socialista, o Estado possui e administra os meios vitais de produção. No entanto, outras diferenças também existem na forma de capital, eficiência e emprego:

Capital

A economia capitalista não se preocupa com acordos equitativos. O argumento é que a desigualdade é a força motriz que incentiva a inovação, que empurra o desenvolvimento econômico.

A principal preocupação do modelo socialista é a redistribuição de riqueza e recursos dos ricos para os pobres, por justiça, e para garantir igualdade de oportunidades e igualdade de resultados. A igualdade é avaliada acima da alta realização, e o bem coletivo é visto acima da oportunidade para os indivíduos avançarem.

Eficiência

O argumento capitalista é que o incentivo ao lucro leva as empresas a desenvolver novos produtos inovadores, desejados pelo consumidor e com demanda no mercado.

Argumenta-se que a propriedade estatal dos meios de produção leva à ineficiência porque, sem a motivação para ganhar mais dinheiro, é menos provável que gerentes, trabalhadores e desenvolvedores façam esforços extras para promover novas ideias ou produtos.

Emprego

Numa economia capitalista, o Estado não emprega diretamente a força de trabalho. Essa falta de emprego governamental pode levar ao desemprego durante recessões e depressões econômicas.

Numa economia socialista, o estado é o principal empregador. Em tempos de dificuldades econômicas, o estado socialista pode solicitar a contratação, para que haja pleno emprego. Além disso, tende a haver uma “rede de segurança” mais forte nos sistemas socialistas para trabalhadores feridos ou incapacitados permanentemente. Aqueles que não podem mais trabalhar têm menos opções disponíveis para ajudá-los nas sociedades capitalistas.

Sistema Misto X Capitalismo Puro

Quando o governo possui alguns, mas não todos, meios de produção, mas os interesses do governo podem contornar, substituir, limitar ou de outra forma regular interesses econômicos privados, isso é considerado uma economia mista ou sistema econômico misto. Uma economia mista respeita os direitos de propriedade, mas impõe limites a eles.

Os proprietários são restritos no que diz respeito à forma como eles trocam entre si. Essas restrições existem de várias formas, como leis de salário mínimo, tarifas, cotas, impostos extraordinários, restrições de licença, produtos ou contratos proibidos, leis de licitação e subsídios. Os governos das economias mistas também possuem ou operam total ou parcialmente certas indústrias, especialmente aquelas consideradas bens públicos, geralmente impondo monopólios juridicamente vinculativos nessas indústrias para proibir a concorrência de entidades privadas.

Em contraste no capitalismo puro, também conhecido como capitalismo laissez-faire, todas as indústrias são deixadas à propriedade e operações privadas, incluindo bens públicos, e nenhuma autoridade do governo central fornece regulamentação ou supervisão da atividade econômica em geral.

Capitalismo Crony, Clientelista ou de Compadrio

O capitalismo crony refere-se a uma sociedade capitalista que se baseia nas relações estreitas entre os empresários e o Estado. Em vez de o sucesso ser determinado por um mercado livre e pelo Estado de Direito, o sucesso de uma empresa depende do favoritismo que o governo lhe mostra na forma de incentivos fiscais, subsídios do governo e outros incentivos.

Na prática, esta é a forma dominante de capitalismo em todo o mundo devido aos poderosos incentivos enfrentados pelos governos para extrair recursos tributando, regulamentando e promovendo atividades de busca de aluguel, e os enfrentados pelas empresas capitalistas para aumentar os lucros através da obtenção de subsídios, limitando a concorrência e erguendo barreiras à entrada. De fato, essas forças representam um tipo de oferta e demanda de intervenção do governo na economia, que surge do próprio sistema econômico.

O capitalismo crony é amplamente responsabilizado por uma série de problemas sociais e econômicos. Socialistas e capitalistas se culpam pelo aumento do capitalismo. Os socialistas acreditam que o capitalismo amistoso é o resultado inevitável do capitalismo puro. Por outro lado, os capitalistas acreditam que o capitalismo amistoso surge da necessidade dos governos socialistas de controlar a economia.

Deixe um comentário