Retorno sobre o Patrimônio Líquido (ROE) – O que é?

O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) é uma medida do desempenho financeiro calculado pela divisão do lucro líquido pelo patrimônio líquido. Como o patrimônio líquido é igual aos ativos de uma empresa menos sua dívida, o ROE pode ser considerado o retorno dos ativos líquidos.

O ROE é considerado uma medida de quanto efetivamente a administração está usando os ativos de uma empresa para gerar lucros.

Fórmula e cálculo para ROE

O ROE é expresso em porcentagem e pode ser calculado para qualquer empresa se o lucro líquido e o patrimônio líquido forem ambos números positivos. O lucro líquido é calculado antes dos dividendos pagos aos acionistas ordinários e depois dos dividendos aos acionistas preferenciais e dos juros aos credores.

ROE = Lucro Líquido / Patrimônio Líquido

Lucro líquido é a quantia de receita líquida de despesas e impostos que uma empresa gera por um determinado período. O Patrimônio Líquido é calculado pela adição do patrimônio no início do período. O início e o fim do período devem coincidir com o lucro líquido.

O lucro líquido do último ano fiscal completo, ou o acumulado de 12 meses, é encontrado na demonstração do resultado – uma soma da atividade financeira durante esse período. O patrimônio líquido vem do balanço patrimonial – um saldo atual de todo o histórico de mudanças de ativos e passivos de uma empresa.

É considerada a melhor prática para calcular o ROE com base no patrimônio líquido do período, devido a esse descasamento entre as duas demonstrações financeiras.

O que o ROE lhe diz?

O retorno sobre o patrimônio (ROE) considerado bom ou ruim dependerá do que é normal para os pares de uma ação. Por exemplo: as concessionárias terão muitos ativos e dívidas no balanço patrimonial em comparação com uma quantidade relativamente pequena de receita líquida. Um ROE normal no setor de serviços públicos pode ser de 10% ou menos. Uma empresa de tecnologia ou varejo com contas de balanço menores em relação ao lucro líquido pode ter níveis normais de ROE de 18% ou mais.

Uma boa regra geral é segmentar um ROE que seja igual ou logo acima da média para o grupo de pares. Por exemplo, suponha que uma empresa, a TechCo, tenha mantido um ROE constante de 18% nos últimos anos em comparação com a média de seus pares, que era de 15%. Um investidor pode concluir que a administração da TechCo está acima da média no uso dos ativos da empresa para gerar lucros.

As taxas de ROE relativamente altas ou baixas variam significativamente de um grupo ou setor para outro. Quando usada para avaliar uma empresa para outra empresa similar, a comparação será mais significativa.

Usando ROE para estimar taxas de crescimento

As taxas de crescimento sustentável e as taxas de crescimento de dividendos podem ser estimadas usando o ROE, assumindo que o índice esteja aproximadamente na linha ou logo acima da média do grupo de pares. Embora possa haver alguns desafios, o ROE pode ser um bom ponto de partida para o desenvolvimento de estimativas futuras da taxa de crescimento de uma ação e da taxa de crescimento de seus dividendos. Esses dois cálculos são funções um do outro e podem ser usados ​​para fazer uma comparação mais fácil entre empresas semelhantes.

Para estimar a taxa de crescimento futuro de uma empresa, multiplique o ROE pelo índice de retenção da empresa. O índice de retenção é o percentual do lucro líquido que é “retido” ou reinvestido pela empresa para financiar o crescimento futuro.

ROE e taxa de crescimento sustentável

Suponha que existam duas empresas com ROE e lucro líquido idênticos, mas com taxas de retenção diferentes. A empresa A tem um ROE de 15% e retorna 30% de seu lucro líquido aos acionistas em um dividendo, o que significa que a empresa A retém 70% de seu lucro líquido. O negócio B também possui um ROE de 15%, mas retorna apenas 10% de seu lucro líquido aos acionistas, com uma taxa de retenção de 90%.

Para a empresa A, a taxa de crescimento é de 10,5%, ou a taxa de retenção que é de 15% vezes 70%. A taxa de crescimento do negócio B é de 13,5% ou 15% vezes 90%.

Essa análise é chamada de modelo de taxa de crescimento sustentável. Os investidores podem usar esse modelo para fazer estimativas sobre o futuro e identificar ações que podem ser arriscadas porque estão superando sua capacidade de crescimento sustentável. Uma ação que está crescendo mais lentamente que sua taxa sustentável pode ser subvalorizada, ou o mercado pode estar descontando sinais de risco da empresa. Nos dois casos, uma taxa de crescimento muito acima ou abaixo da taxa sustentável justifica uma investigação adicional.

Essa comparação parece fazer o negócio B parecer mais atraente que a empresa A, mas ignora as vantagens de uma taxa de dividendos mais alta que pode ser favorecida por alguns investidores. Podemos modificar o cálculo para fazer uma estimativa da taxa de crescimento de dividendos das ações, que pode ser mais importante para os investidores em renda.

Estimando a taxa de crescimento de dividendos

Continuando com o nosso exemplo acima, a taxa de crescimento de dividendos pode ser estimada multiplicando o ROE pela taxa de pagamento. O índice de pagamento é o percentual do lucro líquido retornado aos acionistas ordinários por meio de dividendos. Essa fórmula nos fornece uma taxa de crescimento sustentável de dividendos, que favorece a empresa A.

A empresa A possui taxa de crescimento de dividendos de 4,5%, ou o ROE vezes a taxa de pagamento, que é de 15% a 30%. A taxa de crescimento de dividendos do negócio B é de 1,5% ou 15% vezes 10%. Uma ação que está aumentando seu dividendo muito acima ou abaixo da taxa de crescimento sustentável de dividendos pode indicar riscos que precisam ser investigados.

Usando o ROE para identificar problemas

É razoável imaginar que um ROE médio ou um pouco acima da média é bom, em vez de um ROE que é duplo, triplo ou até mais alto que a média do grupo de pares. As ações com ROE muito alto não são um valor melhor?

Às vezes, um ROE extremamente alto é bom se o lucro líquido for extremamente grande comparado ao patrimônio, porque o desempenho de uma empresa é muito forte. No entanto, na maioria das vezes, um ROE extremamente alto se deve a uma pequena conta patrimonial em comparação ao lucro líquido, o que indica risco.

Lucros inconsistentes

O primeiro problema em potencial com um ROE alto pode ser lucros inconsistentes. Imagine uma empresa, a LossCo, que não é lucrativa há vários anos. As perdas de cada ano estão no balanço patrimonial na parcela do patrimônio líquido como uma “perda retida”. As perdas são um valor negativo e reduzem o patrimônio líquido. Suponha que o LossCo tenha tido um lucro inesperado no ano mais recente e tenha retornado à lucratividade. O denominador no cálculo do ROE agora é muito pequeno após muitos anos de perdas, o que torna seu ROE enganosamente alto.

Excesso de Dívida

O segundo é o excesso de dívida. Se uma empresa está tomando empréstimos de forma agressiva, pode aumentar o ROE porque o patrimônio é igual a ativos menos dívida. Quanto mais dívida uma empresa empresta, menor o patrimônio líquido pode cair. Um cenário comum que pode causar esse problema ocorre quando uma empresa empresta grandes quantias de dívida para recomprar suas próprias ações. Isso pode aumentar o lucro por ação, mas não afeta as taxas de crescimento ou o desempenho real.

Lucro Líquido Negativo

Finalmente, há um lucro líquido negativo e um patrimônio líquido negativo que pode levar a um ROE artificialmente alto. No entanto, se uma empresa tiver uma perda líquida ou patrimônio líquido negativo, o ROE não deverá ser calculado.

Se o patrimônio líquido for negativo, a questão mais comum é dívida excessiva ou rentabilidade inconsistente. No entanto, existem exceções a essa regra para empresas que são lucrativas e têm utilizado o fluxo de caixa para recomprar suas próprias ações. Para muitas empresas, essa é uma alternativa ao pagamento de dividendos e pode eventualmente reduzir o patrimônio (as recompras são subtraídas do patrimônio) o suficiente para tornar o cálculo negativo.

Em todos os casos, níveis de ROE negativos ou extremamente altos devem ser considerados um sinal de alerta que vale a pena investigar. Em casos raros, um ROE negativo pode ser devido a um programa de recompra de ações suportado por fluxo de caixa e excelente gerenciamento, mas esse é o resultado menos provável. De qualquer forma, uma empresa com ROE negativo não pode ser avaliada em relação a outras ações com índices ROE positivos.

ROE x Retorno sobre Capital Investido (ROIC)

Embora o retorno sobre o patrimônio analise quanto de lucro uma empresa pode gerar em relação ao patrimônio líquido, o retorno sobre o capital investido (ROIC) leva esse cálculo mais adiante.

O objetivo do ROIC é calcular a quantia em dinheiro após os dividendos que uma empresa gera com base em todas as suas fontes de capital, incluindo patrimônio e dívida dos acionistas. O ROE analisa quão bem uma empresa utiliza o patrimônio líquido, enquanto o ROIC visa determinar o quão bem uma empresa usa todo o capital disponível para ganhar dinheiro.

Limitações do uso do ROE

Um alto retorno sobre o patrimônio nem sempre pode ser positivo. Um ROE grande demais pode ser indicativo de uma série de questões, como lucros inconsistentes ou dívida excessiva. Além disso, um ROE negativo, devido à perda líquida ou patrimônio líquido negativo da empresa, não pode ser usado para analisar a empresa. Também não pode ser usado para comparar empresas com ROE positivo.

Exemplo de como usar o ROE

Por exemplo, imagine uma empresa com uma renda anual de R$ 1.800.000,00 e patrimônio líquido médio de R$ 12.000.000,00. O ROE desta empresa seria o seguinte:

ROE = 1.800.000,00 / 12.000.000,00 = 15%

Considere a empresa X – para o ano fiscal que termina em 29 de setembro de 2019, a empresa gerou R$ 59,5 bilhões em lucro líquido. No final do ano fiscal, o patrimônio líquido era de R$ 107,1 bilhões, contra R$ 134 bilhões no início. O retorno sobre o patrimônio líquido da empresa X, portanto, é de 49,4%, ou R$ 59,5 bilhões / ((107,1 bilhões + 134 bilhões) / 2).

Comparada aos seus pares, a empresa X tem um ROE muito forte:

  • Empresa W tem um retorno sobre o patrimônio líquido de 27%;
  • Empresa Y tem ROE de 23%;
  • Empresa Z tem ROE de 12%.

Deixe um comentário