Resumo do Livro: O Monge e o Executivo

Tudo o que você precisa saber sobre liderança se resume a uma regra simples que você aprendeu há muito tempo: tratar as pessoas da forma que gostaria de ser tratado, ou seja, seja o chefe que você deseja que seu chefe seja, o pai que você desejava que seu pai fosse e o vizinho que você deseja que ele seja. Esta é uma regra de ouro!

O livro O Monge e o Executivo, de James C. Hunter relata histórias simples e claras, com observações inteligentes e sábias. Foi escrito em forma de parábola/fábula. Fizemos um breve resumo da história que pode ser acompanhado abaixo:

“Um homem de negócios, chamado John, um “líder”, não está indo muito bem no mercado. Finalmente, ele decide ir a um centro de retiros espirituais, que fica sob a liderança de Simeon, um professor que deixou uma carreira profissional de muito sucesso e se tornou monge após a morte de sua esposa. Enquanto estava no centro de retiros, Simeon ensinou a John e a um pequeno grupo de líderes a importância e o caminho para a verdadeira liderança.”

Livro: O Monge e o Executivo de James C. Hunter

O Livro está repleto de ideias fantásticas, como:

Os quatro estágios dos hábitos – Todos os hábitos (bons e ruins) passam previsivelmente por quatro estágios, e o desenvolvimento de habilidades de caráter / liderança não é exceção. (Podemos nos disciplinar a fazer o que não é natural até que se torne natural e um hábito).

  • Estágio 1 – Inconsciente / não qualificado: A pessoa não tem conhecimento e, portanto, não tem hábito;
  • Estágio 2 – Consciente / não qualificado: a pessoa está ciente, mas não é boa nisso;
  • Estágio 3 – Consciente / qualificado: a pessoa está ciente e começa a se tornar hábil;
  • Estágio 4 – Inconsciente / habilidoso: agora está inserido no seu jogo.

E, três etapas para o desenvolvimento de habilidades de caráter / liderança: fundamento, feedback e conflito.

  • Fundamento – Defina o “padrão” da aparência de uma grande liderança;
  • Feedback – Identifique as “lacunas” entre onde você está agora e onde precisa estar para ser um líder eficaz;
  • Conflito – Elimine todas as “lacunas” identificadas no feedback.

No livro, o autor define liderança como a habilidade de influenciar as pessoas a trabalhar com entusiasmo em direção a objetivos identificados como sendo para o bem comum.

 “Simplificando, liderança significa fazer as coisas através das pessoas.”

Uma das práticas de liderança que o livro aborda é a seguinte: os líderes precisam ser muito bons em ouvir. Aqui está uma parte do diálogo entre Simeon e John:

“Ontem de manhã, quando nos conhecemos em seu quarto, você me interrompeu no meio de uma frase três vezes… Quando você interrompe as pessoas no meio de uma frase, John, você envia algumas mensagens negativas. Número um, se você me interrompeu, é porque não estava prestando muita atenção ao que eu dizia, já que sua cabeça estava ocupada com a resposta. Número dois, se você se recusa a me ouvir, não está valorizando a minha opinião. Finalmente, você deve acreditar que o que tem a dizer é muito mais importante do que o que eu tenho a dizer. John, essas mensagens são desrespeitosas, e como líder você não pode enviá-las.”

Uma parte muito importante do livro é:

INTENÇÕES – AÇÕES = NADA

O professor continuou: “Durante toda a minha vida profissional, ouvi as pessoas me dizerem como seus funcionários eram seu bem mais valioso. Mas suas ações sempre expressavam suas verdadeiras crenças. Quanto mais velho fico, menos atenção presto ao que as pessoas dizem e mais atenção presto ao que as pessoas fazem. As pessoas falam muito da mesma forma – mas geralmente é apenas uma brincadeira. É apenas nas ações deles que as diferenças aparecem. … A verdadeira liderança é difícil e é preciso muito esforço.”

INTENÇÕES + AÇÕES = VONTADE

Existe um ótimo lembrete sobre “como” corrigir: corrija quando precisar, mas … “corrija” enquanto protege a dignidade … “Quando punimos publicamente alguém, obviamente os envergonhamos diante de seus pares, e isso é uma grande retirada da nossa conta com eles. Quando elogiamos, apreciamos e reconhecemos publicamente outras pessoas. Não apenas fazemos um depósito em nossa conta com o recebedor do elogio, mas também fazemos depósitos em contas que temos com quem assiste. E como você disse antes, Simeon, todos estão sempre assistindo o que o líder está fazendo.”

Aqui estão nossas lições e dicas:

  • Você começa com uma escolha. – Você servirá as pessoas que lidera?;
  • Líderes Servos “servem” primeiro ouvindo (e percebendo);
  • Os líderes servos sempre colocam e mantêm o amor – ou seja, ações de amor – no centro de sua filosofia de liderança;
  • Líderes Servos sempre fornecem um ambiente que incentiva e capacita as pessoas a quem lideram a florescer e crescer em seu trabalho e em suas vidas;
  • Um lembrete de Randy – não esqueça a centralidade dos “resultados.

O livro nos lembra continuamente sobre essa diferença fundamental:

Gerenciamento não é algo que você faz para outras pessoas. Você gerencia seu inventário, seu talão de cheques, seus recursos. Você pode até se administrar. Mas você não administra outros seres humanos. Você gerencia coisas, lidera pessoas.

Você pode não aprender muito com “O Monge e o Executivo”  mas certamente será lembrado do que pode ser mais importante para os líderes praticarem. Certamente é um livro que vale a pena conferir.

Deixe um comentário