O que é Mercantilismo?

O mercantilismo era um sistema econômico de comércio que se estendeu do século XVI ao século XVIII. O mercantilismo apostou no princípio de que a riqueza do mundo era estática e, consequentemente, muitos países europeus tentaram acumular a maior parte possível dessa riqueza, maximizando suas exportações e limitando suas importações via tarifas.

História do Mercantilismo

Popularizado pela primeira vez na Europa nos anos 1500, o mercantilismo foi baseado na ideia de que a riqueza e o poder de uma nação eram mais bem servidos pelo aumento das exportações, assim houve um esforço maior para coletar metais preciosos como ouro e prata.

O mercantilismo substituiu o sistema econômico feudal na Europa Ocidental. Na época, a Inglaterra era o epicentro do Império Britânico, mas tinha relativamente poucos recursos naturais. Para aumentar sua riqueza, a Inglaterra introduziu políticas fiscais que desencorajavam os colonos a comprar produtos estrangeiros, criando incentivos para comprar apenas produtos britânicos. Por exemplo, a Lei do Açúcar de 1764 elevou os impostos sobre o açúcar refinado estrangeiro e o melaço importados pelas colônias, em um esforço para dar aos produtores de açúcar britânicos das Índias Ocidentais o monopólio do mercado colonial.

Da mesma forma, a Lei de Navegação de 1651 proibia navios estrangeiros de negociar ao longo da costa britânica e exigia que as exportações coloniais passassem primeiro pelo controle britânico antes de serem redistribuídas em toda a Europa. Programas como esses resultaram em uma balança comercial favorável que aumentou a riqueza nacional da Grã-Bretanha.

Sob o mercantilismo, as nações frequentemente engajavam suas forças militares para garantir a proteção dos mercados e fontes locais, para apoiar a ideia de que a saúde econômica de uma nação dependia fortemente de seu suprimento de capital. Os mercantilistas também acreditavam que a saúde econômica de uma nação poderia ser avaliada por seus níveis de propriedade de metais preciosos, como ouro ou prata, que tendiam a aumentar com o aumento da construção de novas casas, aumento da produção agrícola e uma forte frota comercial para fornecer bens a mercados adicionais e matérias-primas.

Jean-Baptiste Colbert: O Ideal Mercantil

Indiscutivelmente o proponente mais influente do mercantilismo, o controlador geral francês de finanças Jean-Baptiste Colbert (1619-1683) estudou as teorias econômicas do comércio exterior e estava em uma posição única para executar essas ideias. Como monarquista devoto, Colbert pediu uma estratégia econômica que protegesse a coroa francesa da crescente classe mercantil holandesa.

Jean-Baptiste Colbert

Colbert também aumentou o tamanho da marinha francesa, acreditando que a França tinha que controlar suas rotas comerciais para aumentar sua riqueza. Embora suas práticas tenham finalmente sido infrutíferas, suas ideias foram extremamente populares, até serem ofuscadas pela teoria da economia de livre mercado.

Mercantilismo colonial britânico

As colônias britânicas estavam sujeitas aos efeitos diretos e indiretos da política mercantilista em casa. Abaixo estão vários exemplos:

Mercantilismo Colonial Britânico
  • Produção e comércio controlados: o mercantilismo levou à adoção de enormes restrições comerciais, o que impediu o crescimento e a liberdade dos negócios coloniais;
  • A expansão do comércio de escravos: o comércio tornou-se triangulado entre o Império Britânico, suas colônias e mercados estrangeiros, promovendo o desenvolvimento do comércio de escravos em muitas colônias, incluindo a América. As colônias forneceram rum, algodão e outros produtos exigidos pelos imperialistas africanos. Por sua vez, os escravos foram levados à América ou às Índias Ocidentais e comercializados por açúcar e melaço;
  • Inflação e tributação: o governo britânico exigiu negociações com barras de ouro e prata, sempre buscando uma balança comercial positiva. As colônias geralmente tinham barras de ouro insuficientes para circular em seus mercados, então eles emitiam papel-moeda. A má administração da moeda impressa resultou em períodos inflacionários.

Além disso, como a Grã-Bretanha estava em estado de guerra quase constante, eram necessários impostos pesados ​​para sustentar seu exército e marinha. A combinação de impostos e inflação causou grande descontentamento colonial.

Revolução Americana Mercantil

Os defensores do mercantilismo argumentavam que o sistema econômico criava economias mais fortes casando as preocupações das colônias com as de seus países fundadores. Em teoria, quando os colonos criam seus próprios produtos e obtêm outros no comércio de sua nação fundadora, eles permanecem independentes da influência de nações hostis. Enquanto isso, os países fundadores se beneficiam com o recebimento de grandes quantidades de matéria-prima dos colonos, necessárias para um setor de produção produtivo.

Revolução Americana Mercantil

Os críticos da filosofia econômica acreditavam que a restrição ao comércio internacional aumentava as despesas, porque todas as importações, independentemente da origem do produto, tinham que ser embarcadas por navios britânicos da Grã-Bretanha. Isso aumentou radicalmente os custos de mercadorias para os colonos, que acreditavam que as desvantagens desse sistema superavam os benefícios de se associar à Grã-Bretanha.

Depois de uma guerra com a França, o Império Britânico, faminto por reabastecer as receitas, aumentou os impostos sobre os colonos, que se rebelaram boicotando produtos britânicos, consequentemente reduzindo as importações em um terço. Isso foi seguido pelo Boston Tea Party em 1773, onde os colonos de Boston se disfarçaram de índios, invadiram três navios britânicos e jogaram o conteúdo de várias centenas de caixas de chá no porto, para protestar contra os impostos britânicos sobre o chá e o monopólio concedido ao país. Para reforçar seu controle mercantilista, a Grã-Bretanha pressionou mais contra as colônias, resultando finalmente na Guerra Revolucionária.

Comerciantes e Mercantilismo

No início do século XVI, os teóricos financeiros europeus compreenderam a importância da classe mercante na geração de riqueza. Cidades e países com mercadorias para vender prosperaram no final da Idade Média.

Consequentemente, muitos acreditavam que o Estado deveria franquear seus principais comerciantes para criar monopólios e cartéis exclusivos controlados pelo governo, onde os governos usavam regulamentos, subsídios e (se necessário) força militar para proteger essas empresas monopolistas da concorrência doméstica e estrangeira. Os cidadãos poderiam investir dinheiro em empresas mercantilistas, em troca de propriedade e responsabilidade limitada em suas cartas reais. Esses cidadãos receberam “ações” do lucro da empresa, que foram, em essência, as primeiras ações corporativas negociadas.

As empresas mercantilistas mais famosas e poderosas eram as empresas britânicas e holandesas das Índias Orientais . Por mais de 250 anos, a Companhia Britânica das Índias Orientais manteve exclusivo o direito de realizar comércio entre a Grã-Bretanha, a Índia e a China, com suas rotas comerciais protegidas pela Marinha Real.

Mercantilismo x Imperialismo

Onde os governos mercantilistas manipulam a economia de uma nação para criar balanças comerciais favoráveis, o imperialismo usa uma combinação de força militar e imigração em massa para promover o mercantilismo em regiões menos desenvolvidas, em campanhas para fazer os habitantes seguirem as leis dos países dominantes. Um dos exemplos mais poderosos da relação entre mercantilismo e imperialismo é o estabelecimento das colônias americanas pela Grã-Bretanha.

Livre comércio x mercantilismo

O livre comércio oferece várias vantagens sobre o mercantilismo para indivíduos, empresas e nações. Em um sistema de livre comércio, os indivíduos se beneficiam de uma maior variedade de bens acessíveis, enquanto o mercantilismo restringe as importações e reduz as opções disponíveis para os consumidores. Menos importações significam menos concorrência e preços mais altos.

Enquanto os países mercantilistas estavam quase constantemente envolvidos na guerra, lutando por recursos, os países que operavam sob um sistema de livre comércio podiam prosperar ao se envolver em relações comerciais mutuamente benéficas.

Em seu livro “A Riqueza das Nações”, o economista Adam Smith argumentou que o livre comércio permitiu que as empresas se especializassem na produção de bens que fabricassem com mais eficiência, levando a uma maior produtividade e maior crescimento econômico.

Hoje, o mercantilismo é considerado ultrapassado. No entanto, ainda existem barreiras ao comércio para proteger indústrias localmente arraigadas. Por exemplo: após a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos adotaram uma política comercial protecionista em relação ao Japão e negociaram restrições voluntárias à exportação com o governo japonês, o que limitava as exportações japonesas para os Estados Unidos.

Deixe um comentário