O que é o grupo G-20?

O Grupo dos 20, também chamado G-20, é um grupo de ministros das finanças e governadores de bancos centrais de 19 das maiores economias do mundo, incluindo as de muitos países em desenvolvimento, juntamente com a União Européia. Formado em 1999, o G-20 tem a missão de promover o crescimento econômico global, o comércio internacional e a regulamentação dos mercados financeiros.

Como o G-20 é um fórum, não um órgão legislativo, seus acordos e decisões não têm impacto legal, mas influenciam as políticas dos países e a cooperação global. Em conjunto, as economias do G-20 representam cerca de 90% do produto mundial bruto, 80% do comércio mundial, e dois terços da população mundial. Depois de cúpula de seus líderes inaugural em 2008, os líderes do G-20 anunciaram que o grupo iria substituir o G-8 como o principal conselho econômico das nações.

Foco político do grupo G-20

Os tópicos discutidos pelo G-20 evoluem de acordo com as principais preocupações financeiras globais de seus membros. Inicialmente, a discussão do grupo teve como foco a sustentabilidade da dívida soberana e a estabilidade financeira global. Esses temas continuaram como tópicos frequentes nas cúpulas do G-20, juntamente com discussões sobre crescimento econômico global, comércio internacional e regulamentação dos mercados financeiros.

Grupo G-20

As prioridades da agenda para a cúpula do G-20 de Osaka em 2019 ilustram como os tópicos do G-20 refletem preocupações em constante mudança. Como anfitrião, o Japão propôs um foco sobre a economia global: o comércio e os investimentos; a inovação, o ambiente e a energia; emprego, capacitação, desenvolvimento e saúde da mulher. No ano anterior, a Argentina propôs um foco no futuro do trabalho, infraestrutura para o desenvolvimento e um futuro sustentável dos alimentos. Essa reunião também incluiu conversas sobre a regulamentação de criptomoedas e a guerra comercial EUA/China. Tópicos que provavelmente serão discutidos novamente na cúpula 2020 (Riad), 2021 (Itália) e 2022 (Nova Deli).

Grupo dos G-20 versus Grupo dos G-7

As fileiras do G-20 incluem todos os membros do Grupo dos Sete (G-7) – um fórum dos sete países com as maiores economias desenvolvidas do mundo: França, Alemanha, Itália, Japão, Estados Unidos, Reino Unido e Canadá. Formado em 1975, o G-7 se reúne anualmente em questões internacionais, incluindo questões econômicas e monetárias.

Além de ser mais antigo que o G-20, o G-7 às vezes tem sido descrito como um órgão mais político, pois todas as suas reuniões há muito tempo incluem não apenas ministros das finanças, mas também ministros-chefes, incluindo presidentes e primeiros-ministros. No entanto, o G-20, desde a crise financeira global de 2008, tem cada vez mais cimeiras que incluem líderes políticos, assim como os ministros das finanças e governadores dos bancos.

E onde o G-7 compreende exclusivamente países desenvolvidos, muitas das 12 nações adicionais que compõem o G-20 são provenientes daquelas com economias em desenvolvimento. De fato, ter um fórum no qual nações desenvolvidas e emergentes pudessem conferir era parte do ímpeto para a criação do G-20.

Rússia e o Grupo G-20

Em 2014, o G-7 e o G-20 adotaram abordagens diferentes para a adesão da Rússia depois que o país fez incursões militares na Ucrânia e, eventualmente, anexou o território ucraniano de Crimea. O G-7, ao qual a Rússia se unira formalmente em 1998 para criar o G-8, suspendeu a participação do país no grupo; Posteriormente, a Rússia decidiu deixar formalmente o G-8 em 2017.

Enquanto a Austrália, anfitriã da cúpula do G-20 de 2014 em Brisbane, propôs banir a Rússia da cúpula por seu papel, a Rússia permaneceu membro do grupo maior, em parte por causa do forte apoio do Brasil, Índia e China, que juntamente com a Rússia são conhecidos coletivamente como BRICs.

Composição e liderança do grupo G-20

Juntamente com os membros do G-7(França, Alemanha, Itália, Japão, Estados Unidos, Reino Unido e Canadá), outras 12 nações atualmente compõem o G-20: Argentina, Austrália, Brasil, China, Índia, Indonésia, México, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Coréia do Sul e Turquia.

Além disso, os 20 países convidam hóspedes para participar de seus eventos. A Espanha é convidada permanentemente, assim como o atual presidente da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN); dois países africanos (O Presidente da União Africana e um representante da Nova Parceria para o Desenvolvimento de África) e pelo menos um país convidado pela Presidência, geralmente a partir de sua própria região. Os países convidados para a Cúpula do G-20 de Osaka em 2019, por exemplo, incluíram Holanda, Cingapura, Espanha e Vietnã.

Organizações internacionais como o FMI , o Banco Mundial, as Nações Unidas, o Conselho de Estabilidade Financeira e a Organização Mundial do Comércio também participam das cúpulas.

A presidência da cúpula dos líderes do G-20 gira entre quatro grupos de países. Quando chega a vez de cada grupo, seus membros negociam entre si para decidir quem preside a reunião.

Críticas ao grupo G-20

Desde o seu início, algumas das operações do G-20 atraíram polêmicas. Preocupações incluem transparência e responsabilidade, com os críticos chamando a atenção para a ausência de uma carta formal para o grupo e o fato de que algumas reuniões são realizadas a portas fechadas.

Algumas das prescrições políticas do grupo também foram impopulares, especialmente com grupos liberais. Os protestos nas cúpulas do grupo acusaram, entre outras críticas, o G-20 de incentivar acordos comerciais que fortalecem grandes corporações, de serem delinquentes no combate às mudanças climáticas e de não abordar a desigualdade social e as ameaças globais à democracia.

As políticas de adesão ao G-20 também foram criticadas. Os críticos dizem que o grupo é excessivamente restritivo, e sua prática de atrair convidados, como os de países africanos, é pouco mais que um esforço simbólico para tornar o G-20 reflexo da diversidade econômica do mundo. O ex-presidente dos EUA, Barack Obama, observou o desafio de determinar quem pode se juntar a um grupo tão poderoso: “Todo mundo quer o menor grupo possível que os inclui. Portanto, se eles são a 21ª maior nação do mundo, querem o G-21, e acho altamente injusto se eles sejam cortados”.

Deixe um comentário