Curso de Analista Financeiro

Analisando a Estrutura de Capital de uma Empresa

Se você é um investidor em ações e gosta de empresas com bons fundamentos, é importante considerar um balanço forte ao procurar oportunidades de investimento. Usando três tipos amplos de medidas – capital de giro, desempenho de ativos e estrutura de capital – você pode avaliar a força do balanço de uma empresa e, portanto, a qualidade do investimento. Neste artigo, focamos na análise do balanço patrimonial com base na estrutura de capital da empresa.

O uso criterioso de dívida e patrimônio de uma empresa é um indicador-chave de um forte balanço patrimonial. Uma estrutura de capital saudável que reflete um baixo nível de dívida e uma alta quantidade de patrimônio é um sinal positivo de qualidade do investimento.

Esclarecendo a Terminologia da Estrutura de Capital

Estrutura Capital

A estrutura de capital descreve a mistura de capital de longo prazo de uma empresa, que consiste em uma combinação de dívida e patrimônio. Estrutura de capital é um tipo permanente de financiamento que suporta o crescimento de uma empresa e ativos relacionados. Expressa em uma fórmula que a estrutura de capital é igual a obrigações de dívida mais o patrimônio líquido total:

Estrutura de Capital = OD + PL

Onde:

OD = Obrigação de Dívida

PL = Patrimônio Líquido

Você pode ouvir a estrutura de capital também ser chamada de “estrutura de capitalização” ou apenas “capitalização” – não confunda isso com capitalização de mercado, que é diferente.

Capital Próprio

A parte do patrimônio da relação dívida-patrimônio é mais fácil de definir. Em uma estrutura de capital, o patrimônio líquido consiste nas ações ordinárias e preferenciais de uma empresa, mais lucros acumulados. Este é considerado capital investido e aparece na seção de patrimônio líquido do balanço. Capital investido mais dívida compreende estrutura de capital.

Dívida

Uma discussão sobre dívida é menos direta. A literatura de investimento geralmente iguala a dívida de uma empresa com seus passivos. No entanto, existe uma distinção importante entre passivos operacionais e passivos de dívida, e é o último que forma o componente de dívida da estrutura de capital – mas esse não é o fim da história da dívida.

Os analistas de pesquisa de investimento não concordam sobre o que constitui um passivo de dívida. Muitos analistas definem o componente de dívida da estrutura de capital como uma dívida de longo prazo do balanço. No entanto, essa definição é muito simplista. Em vez disso, a parcela da dívida de uma estrutura de capital deve consistir em: empréstimos de curto prazo (notas a pagar); a parcela atual da dívida de longo prazo; dívida de longo prazo; e dois terços (regra geral) da quantia principal de arrendamentos operacionais e ações preferenciais resgatáveis. Ao analisar o balanço de uma empresa, os investidores experientes devem usar esse valor abrangente da dívida total.

Índices Aplicados à Estrutura de Capital

Em geral, os analistas usam três índices para avaliar a força da estrutura de capitalização de uma empresa. As duas primeiras são métricas populares:

Relação da Dívida = Dívida Total / Total de Ativos

e

Relação Dívida / Patrimônio = Dívida Total / Patrimônio Total

No entanto, é uma terceira cota, o índice de capitalização que fornece insights importantes sobre a posição de capital da empresa:

Dívida de longo prazo / (dívida de longo prazo + patrimônio líquido)

Como o índice de endividamento, mais passivos significam menos patrimônio, isso indica uma posição mais alavancada. O problema dessa mensuração é que ela tem escopo muito amplo e atribui peso igual ao passivo operacional e ao passivo da dívida. A mesma crítica se aplica à relação dívida / patrimônio. O passivo operacional circulante e não circulante, especialmente este último, representa obrigações que estarão com a empresa para sempre. Além disso, diferentemente da dívida, não há pagamentos fixos de principal ou juros vinculados a passivos operacionais.

Por outro lado, o índice de capitalização compara o componente de dívida com o componente de patrimônio da estrutura de capital de uma empresa; portanto, apresenta uma imagem mais verdadeira. Expressado como porcentagem, um número baixo indica um colchão de patrimônio saudável, sempre mais desejável do que um alto percentual de dívida.

Relação ideal entre Dívida e Patrimônio

Infelizmente, não existe uma proporção mágica de dívida em relação ao patrimônio a ser usada como orientação. O que define uma combinação saudável de dívida e patrimônio varia de acordo com os setores envolvidos, a linha de negócios e o estágio de desenvolvimento de uma empresa. No entanto, como é melhor os investidores colocarem seu dinheiro em empresas com fortes balanços patrimoniais, faz sentido que o saldo ideal geralmente reflita níveis mais baixos de dívida e níveis mais altos de patrimônio.

Sobre a Alavancagem

Nas finanças, a dívida é um exemplo perfeito da proverbial espada de dois gumes. O uso astuto de alavancagem (dívida) é bom. Aumenta a quantidade de recursos financeiros disponíveis de uma empresa para crescimento e expansão. Com alavancagem, a suposição é que a administração pode ganhar mais com fundos emprestados do que o que pagaria em despesas com juros e taxas sobre esses fundos. No entanto, para manter uma grande quantidade de dívida com sucesso, uma empresa deve manter um sólido histórico de cumprimento de seus vários compromissos de empréstimos.

O Problema com muita Alavancagem

Uma empresa que é altamente alavancada – muita dívida em relação ao patrimônio líquido – pode achar que, eventualmente, seus credores restringem sua liberdade de ação; ou poderia experimentar uma rentabilidade reduzida como resultado do pagamento de altos custos com juros. Além disso, uma empresa pode ter problemas para cumprir com seus passivos operacionais e de dívida durante períodos de condições econômicas adversas. Ou, se o setor de negócios é extremamente competitivo, as empresas concorrentes podem tirar proveito de empresas com dívidas, mergulhando para ganhar mais participação de mercado. Obviamente, o pior cenário seria se uma empresa precisasse declarar falência.

Deixe um comentário