Despesa de Depreciação Padrão x Depreciação Acumulada: Quando usar?

A diferença mais básica entre despesa de depreciação (ou despesa de depreciação padrão) e depreciação acumulada está no fato de que uma aparece como despesa na demonstração do resultado e a outra é um contra ativo relatado no balanço patrimonial. Ambos dizem respeito ao “desgaste” de equipamentos, máquinas ou outro ativo e ajudam a declarar um valor verdadeiro para o ativo, uma consideração importante ao fazer deduções fiscais no final do ano é quando uma empresa está sendo vendida e os ativos precisam de um valor.

Depreciação Padrão

As despesas de depreciação são relatadas na demonstração do resultado como qualquer outra despesa comercial normal. Se o ativo for usado para produção, a despesa será listada na área de despesas operacionais da demonstração de resultados. Esse valor reflete uma parte do custo de aquisição do ativo para fins de produção.

Por exemplo: máquinas de fábrica usadas para produzir o principal produto de uma empresa de roupas têm receitas e custos atribuíveis. Para determinar a depreciação atribuível, a empresa assume uma vida útil e um valor de sucata. A despesa de depreciação de uma máquina de R$ 500.000,00 que deve ter um valor de R$ 100.000,00 em 5 anos é de R$ 80.000,00 por ano.

Este cálculo é realizado da seguinte forma:

R$ 500.000,00 – R$ 100.000,00 / 5 = R$ 80.000,00.

Como não existem regras para determinar o valor da sucata e a expectativa de vida, os investidores devem ter cuidado com as expectativas de vida exageradas e os valores da sucata.

Depreciação Acumulada

Depreciação acumulada é um total contínuo de depreciação para um ativo registrado no balanço patrimonial. O valor original de um ativo é ajustado durante cada ano fiscal para refletir um valor atual depreciado.

Contabilidade

Por exemplo: a máquina do exemplo acima que foi comprada por R$ 500.000,00 é relatada com um valor de R$ 300.000,00 no terceiro ano de propriedade. Novamente, é importante que os investidores prestem muita atenção para garantir que a administração não esteja aumentando o valor contábil nos bastidores por meio de táticas de cálculo da depreciação, embora a tática seja frequentemente usada para depreciar ativos além do seu valor real. Isso é feito por alguns motivos, mas os dois motivos mais importantes são que a empresa pode reivindicar deduções de depreciação mais altas em seus impostos e aumentar a diferença entre receita e passivo. Isso faz com que a empresa pareça mais lucrativa do que realmente pode ser.

Quando usar?

A depreciação padrão é usada na demonstração do resultado para quase todos os negócios. Ele é listado como uma despesa e, portanto, deve ser usado sempre que um item for calculado para fins fiscais no final do ano ou para determinar a validade do item para fins de liquidação.

A depreciação acumulada deve, mas geralmente não é, ser listada diretamente abaixo da depreciação do item para mostrar o total corrente. Isso facilita a leitura do contador e dá uma sensação mais astuta do tempo de vida do item, isso claro, analisando do ponto de vista comercial.

Ambos os tipos de depreciação devem ser listados nos relatórios de final de ano e trimestrais, mas é a depreciação padrão que é a mais comum das duas devido à sua aplicação em deduções e pode ajudar a reduzir o passivo fiscal de uma empresa. A depreciação acumulada é usada mais para prever a vida útil de um item ou para acompanhar a depreciação ano após ano.

Deixe um comentário