Comunismo - Bandeira da União Soviética

Comunismo: O que é?

O comunismo é uma ideologia política e econômica que se posiciona em oposição à democracia liberal e ao capitalismo, defendendo um sistema sem classes no qual os meios de produção são de propriedade comunitária e a propriedade privada é inexistente ou severamente reduzida.

Entendendo o Comunismo

“Comunismo” é um termo que abrange uma gama de ideologias. O uso moderno do termo se originou com Victor d’Hupay, um aristocrata francês do século 18 que defendia a vida em “comunas”, nas quais todas as propriedades seriam compartilhadas e “todas podem se beneficiar do trabalho de todos”. Porém, a ideia não era nova, mesmo na época: o Livro de Atos descreve as comunidades cristãs do primeiro século que mantêm propriedades em comum de acordo com um sistema conhecido como koinonia, que inspirou grupos religiosos posteriores, como os ingleses do século XVII “Diggers” a rejeitar propriedade privada.

O Manifesto Comunista

A ideologia comunista moderna começou a se desenvolver durante a Revolução Francesa, e seu tratado “Manifesto Comunista” de Karl Marx e Friedrich Engels, foi publicado em 1848. Esse panfleto rejeitava o teor cristão das filosofias comunistas anteriores, suas reivindicação dos proponentes e fazia uma análise científica da história e trajetória futura da sociedade humana. “A história de toda a sociedade até então existente”, escreveram Marx e Engels, “é a história das lutas de classes”.

Livro: Manifesto Comunista - de Marx e Engels

O Manifesto Comunista apresentou a Revolução Francesa como um importante ponto de virada histórica, quando a “burguesia” – a classe mercantil que estava no processo de consolidação do controle sobre os “meios de produção” – derrubou a estrutura de poder feudal e inaugurou a era capitalista. Essa revolução substituiu a luta de classes medieval, que colocou a nobreza contra os servos, com a era capitalista colocando os proprietários burgueses do capital contra o “proletariado”, a classe trabalhadora que vende seu trabalho por salários.

No Manifesto Comunista e em obras posteriores, Marx, Engels e seus seguidores advogaram (e previram como historicamente inevitável) uma revolução proletária global, que inauguraria primeiro uma era do socialismo, depois do comunismo. Esse estágio final do desenvolvimento humano marcaria o fim da luta de classes e, portanto, da história: todas as pessoas viveriam em equilíbrio social, sem distinções de classe, estruturas familiares, religião ou propriedade. O estado também “definharia”. A economia funcionaria, como diz um slogan marxista popular, “de cada um segundo sua capacidade, para cada um segundo suas necessidades”.

A União Soviética

As teorias de Marx e Engels não seriam testadas no mundo real até depois de suas mortes. Em 1917, durante a Primeira Guerra Mundial, uma revolta na Rússia derrubou o czar e desencadeou uma guerra civil que acabou vendo um grupo de marxistas radicais liderados por Vladimir Lenin ganhar poder em 1922. Os bolcheviques, como esse grupo era chamado, fundaram a União Soviética no antigo território imperial russo e tentou colocar em prática a teoria comunista.

Antes da Revolução Bolchevique, Lenin havia desenvolvido a teoria marxista do vanguardismo, que argumentava que um grupo unido de elites politicamente esclarecidas era necessário para inaugurar os estágios mais altos da evolução econômica e política: socialismo e finalmente comunismo. Lenin morreu logo após o fim da guerra civil, mas a “ditadura do proletariado”, liderada por seu sucessor Joseph Stalin, perseguiria expurgos étnicos e ideológicos brutais, bem como a coletivização agrícola forçada. Dezenas de milhões morreram durante o governo de Stalin, de 1922 a 1952, além das dezenas de milhões que morreram como resultado da guerra com a Alemanha nazista.

Em vez de definhar, o estado soviético tornou-se uma poderosa instituição de partido único que proibia a dissidência e ocupava as “alturas de comando” da economia. A agricultura, o sistema bancário e a produção industrial estavam sujeitos a cotas e controles de preços estabelecidos em uma série de planos quinquenais. Esse sistema de planejamento central permitiu uma rápida industrialização, e, de 1950 a 1965, o crescimento do produto interno bruto (PIB) soviético ultrapassou o dos Estados Unidos. Em geral, no entanto, a economia soviética cresceu em um ritmo muito mais lento do que seus equivalentes capitalistas e democráticos.

Os gastos fracos dos consumidores foram um obstáculo especial ao crescimento. A ênfase dos planejadores centrais na indústria pesada levou à subprodução crônica de bens de consumo, e as longas filas nos supermercados com estoque insuficiente eram um elemento fixo da vida soviética, mesmo durante períodos de relativa prosperidade. Mercados negros prósperos – denominados a “segunda economia” por alguns acadêmicos – atendiam à demanda por cigarros, xampus, bebidas alcoólicas, açúcar, leite e produtos especialmente de prestígio, como jeans contrabandeados do Ocidente. Embora essas redes fossem ilegais, elas eram essenciais para o funcionamento do partido: aliviavam a escassez que, sem controle, ameaçava desencadear outra Revolução Bolchevique; eles forneceram aos propagandistas do partido um bode expiatório por falta; e enfileiraram-se nos bolsos das autoridades do partido, que aceitavam pagamentos para parecer diferente ou enriqueciam as próprias operações do mercado negro.

A União Soviética entrou em colapso em 1991, após um esforço para reformar o sistema econômico e político e proporcionar maior espaço para empresas privadas e liberdade de expressão. Esses impulsos de reforma, conhecidos como perestroika e glasnost, respectivamente, não interromperam o declínio econômico que a União Soviética sofreu na década de 1980 e provavelmente apressaram o fim do estado comunista, afrouxando o controle sobre fontes de dissidência.

China comunista

Em 1949, após mais de 20 anos de guerra com o Partido Nacionalista Chinês e o Japão Imperial, o Partido Comunista de Mao Zedong ganhou o controle da China para formar o segundo maior estado Marxista-Leninista do mundo. Mao aliou o país à União Soviética, mas as políticas soviéticas de desestalinização e “coexistência pacífica” com o Ocidente capitalista levaram a uma separação diplomática com a China em 1956.

O governo de Mao na China lembrava o de Stalin em sua violência, privação e insistência na pureza ideológica. Durante o Grande Salto Adiante, de 1958 a 1962, o Partido Comunista ordenou que a população rural produzisse enormes quantidades de aço, em um esforço para impulsionar uma revolução industrial na China. As famílias foram coagidas a construir fornos de quintal, onde fundiram sucata e utensílios domésticos em ferro-gusa de baixa qualidade, que oferecia pouca utilidade doméstica e não atraía os mercados de exportação. Como o trabalho rural não estava disponível para a colheita, e Mao insistiu em exportar grãos para demonstrar o sucesso de suas políticas, os alimentos se tornaram escassos. A Grande Fome Chinesa resultante matou pelo menos 15 milhões de pessoas e talvez mais de 45 milhões. A Revolução Cultural, um expurgo ideológico que durou de 1966 até a morte de Mao em 1976, matou pelo menos outras 400.000 pessoas.

Após a morte de Mao, Deng Xiaoping introduziu uma série de reformas de mercado que permaneceram em vigor sob seus sucessores. Os EUA começaram a normalizar as relações com a China quando o presidente Nixon visitou o país em 1972, antes da morte de Mao. O Partido Comunista Chinês permanece no poder, presidindo um sistema amplamente capitalista, embora as empresas estatais continuem formando uma grande parte da economia. A liberdade de expressão é significativamente reduzida; as eleições são proibidas (exceto na ex-colônia britânica de Hong Kong, onde os candidatos devem ser aprovados pelo partido e os direitos de voto são rigorosamente controlados); Não é permitida oposição significativa ao partido.

A guerra Fria

Os EUA emergiram da Segunda Guerra Mundial, a nação mais rica e militarmente poderosa do mundo. Como uma democracia liberal que acabara de derrotar as ditaduras fascistas em dois teatros, o país – se não todo o seu povo – sentia uma sensação de excepcionalismo e propósito histórico. O mesmo aconteceu com a União Soviética, sua aliada na luta contra a Alemanha e o único estado marxista revolucionário do mundo. As duas potências prontamente dividiram a Europa em esferas de influência política e econômica: Winston Churchill chamou essa linha divisória de “Cortina de Ferro”.

Guerra fria

As duas superpotências, que possuíam armas nucleares depois de 1949, enfrentaram um longo impasse conhecido como Guerra Fria. Devido à doutrina da Destruição Mutuamente Assegurada – a crença de que uma guerra entre as duas potências levaria a um holocausto nuclear – nenhum compromisso militar direto ocorreu entre os EUA e a União Soviética, e a Cortina de Ferro ficou em grande parte silenciosa. Em vez disso, travaram uma guerra global por procuração, com cada um patrocinando regimes amigáveis ​​em nações pós-coloniais na África, Ásia e América Latina. Os EUA e a União Soviética patrocinaram golpes para instalar esses regimes em vários países.

O mais próximo que os EUA chegaram de um conflito militar direto com a União Soviética foi a crise dos mísseis cubanos de 1962. Contudo, os EUA travaram uma guerra quente prolongada no Vietnã, na qual seus militares apoiaram as forças do Vietnã do Sul que combatiam o exército norte-vietnamita apoiado pela China e pela União Soviética e guerrilhas comunistas do Vietnã do Sul. Os EUA se retiraram da guerra e o Vietnã foi unido sob o regime comunista em 1975.

A Guerra Fria terminou com o colapso da União Soviética em 1991.

Por que o comunismo falhou?

Embora tenha havido um extenso estudo das razões do fracasso do comunismo, os pesquisadores identificaram alguns fatores comuns que contribuíram para seu fim:

O primeiro é a ausência de incentivos entre os cidadãos para produzir com fins lucrativos. O incentivo ao lucro leva à competição e inovação em uma sociedade. Mas um cidadão ideal em uma sociedade comunista era desinteressadamente dedicado a causas sociais e raramente parava para pensar em seu bem-estar. “Em todos os momentos e em todas as perguntas, um membro do partido deve considerar primeiro os interesses do Partido como um todo e colocá-los em primeiro lugar, colocando em segundo plano assuntos e interesses pessoais”, escreveu Liu Shaoqi, o segundo presidente da República Popular da China.

A segunda razão para o fracasso do comunismo foram as ineficiências inerentes ao sistema, como o planejamento centralizado. Essa forma de planejamento requer agregação e síntese de enormes quantidades de dados em nível granular. Como todos os projetos foram planejados centralmente, essa forma de planejamento também era complexa. Em vários casos, os dados de crescimento foram falsificados ou propensos a erros , a fim de ajustar os fatos às estatísticas planejadas e criar uma ilusão de progresso.

A concentração de poder nas mãos de poucos selecionados também gerou ineficiência e, paradoxalmente, os incentivou a brincar com o sistema em seu benefício e a manter o poder. A corrupção e a preguiça tornaram-se características endêmicas desse sistema e a vigilância, como a que caracterizou as sociedades da Alemanha Oriental e Soviética, era comum. Desincentivou também o trabalhador. O resultado final foi que a economia sofreu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *